Após instalação da CPI do Genocídio, Bolsonaro não para de postar sobre Covid e vacinação

POR Revista Fórum, 18/04/2021

Mais de um ano depois do início da pandemia, ele resolveu encher suas redes com ações do governo na vacinação, ampliação de leitos, auxílio emergencial entre outros

Por Julinho Bittencourt

Após passar os últimos 13 meses fazendo pouco da pandemia do Coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) resolveu passar a impressão que acordou para o assunto.

A instalação da CPI do genocídio, que apura responsabilidades do seu governo no excessivo número de casos e mortes no Brasil, deve ter dado um belo empurrão na atitude do presidente.

Ele não fala mais (ao menos por enquanto) em cloroquina, tratamento precoce, “gripezinha” etc.

Suas redes sociais andam repletas com ações do governo na vacinação, ampliação de leitos, auxílio emergencial entre outros.

O que foi feito, no entanto, está feito. A postura de Bolsonaro e seu governo, que não conseguiu resolver nem a pandemia, tampouco a economia, tem custado caro ao povo brasileiro.

De acordo com projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI), o Brasil deve ser tornar o 14º país com maior taxa de desemprego do mundo em 2021, após ficar em 22º lugar em 2020.

Além disso, neste sábado (17) o país contabilizou 13.900.134 casos e 371.889 óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, com a maior média móvel do mundo, segundo balanço do consórcio de veículos de imprensa.

Mesmo assim, com CPI e tudo, Bolsonaro viajou para Goianápolis (GO), a cerca de 190 quilômetros de Brasília, neste sábado, onde, sem máscara, apertou a mão de pelo menos 144 pessoas, passou a mão em seu rosto, tocou a cabeça de jovens e botou na cabeça o chapéu de uma criança. Tudo isso antes de carregar um bebê no colo.

error: Conteúdo protegido para cópia.
Menu e Busca