Comunicação e Democracia

A IMAGEM DO CONGRESSO: O QUE A MÍDIA TEM A VER COM ISSO
Repúblico matéria do blog do Zé, Colunista do Dia, 13/04/2010

Venício A. de Lima
ImageVenício A. de Lima Pesquisa

Datafolha recentemente divulgada dá conta de que 33% dos entrevistados consideramComunicação e Democraci o desempenho de deputados e de senadores ruim ou péssimo. Uma pequena melhora em relação a resultados apurados um mês antes, quando o percentual era de 39%. O articulista da Folha de S.Paulo usa a conhecida adversativa e afirma: “Mas não se pode afirmar que há uma tendência de melhora da imagem do Congresso”. A matéria informa ainda que, nos últimos dez anos, a rejeição de deputados e de senadores flutuou na faixa de 30% a 40% e que, desde 2004, a taxa de aprovação varia entre 11% e 19%, estando hoje em 16% (ver “Rejeição cai, mas Congresso permanece mal avaliado “, para assinantes).

Quatro dias depois, a mesma Folha, publica matéria informando que “prestigiados senadores e deputados desistem de concorrer à reeleição este ano” (ver “Bancada do `cansei´ avança no Congresso”, para assinantes). A desistência de cerca de 12% dos atuais senadores e deputados de disputar a reeleição nas próximas eleições tem sido objeto de comentários na grande mídia já há algum tempo.

O que chama a atenção do observador, no entanto, é que não se estabelece qualquer relação entre a primeira notícia – a má avaliação pública do Congresso Nacional – e a segunda – a desistência de políticos importantes de disputar a reeleição. E mais: não se estabelece qualquer relação entre o tipo de cobertura que a grande mídia vem fazendo das atividades do Congresso Nacional, ao longo de todos esses anos, e os fatos noticiados.

O tema não é novo, mas sua importância nos leva a tratá-lo aqui ainda mais uma vez (ver “Mídia e Congresso: Os riscos da cobertura negativa”).

Cobertura negativa

Repito o que já escrevi: não há dúvida de que a grande mídia tem sido instrumento importante na revelação pública de ilícitos graves envolvendo representantes eleitos e, também, de altos funcionários do Congresso Nacional. Deputados e senadores têm estado envolvidos em atividades criminosas e/ou eticamente condenáveis. Procedimentos de investigação ou processos legais contra parlamentares correm tanto nas comissões de ética do próprio Congresso como nas instâncias competentes do judiciário.

Tudo isso é verdade.

No entanto, é inegável que a cobertura política que a grande mídia oferece das atividades diárias de 513 deputados, 81 senadores e milhares de funcionários do Congresso Nacional se reduz, quase que exclusivamente, a aspectos negativos. Ignora-se, na maioria das vezes, o trabalho sério e honesto realizado nas comissões permanentes e transitórias, nos debates em plenário, na aprovação de legislação e no cumprimento das diversas outras atribuições constitucionais das Casas Legislativas. Ignora-se, sobretudo, o papel fundamental – e insubstituível – que o Parlamento exerce no equilíbrio entre os poderes republicanos e, por óbvio, no funcionamento da democracia.

Faz todo sentido lembrar, uma vez mais, a constatação que a professora Maria do Carmo Campello de Souza (já falecida) fez sobre a cultura política brasileira ainda ao tempo da transição para a democracia, no final da década de 1980. Dizia ela:

“O teor exclusivamente denunciatório de grande parte das informações (dos meios de comunicação) acaba por estabelecer junto à sociedade (…) uma ligação direta e extremamente nefasta entre a desmoralização da atual conjuntura e a substância mesma dos regimes democráticos. (…) A despeito da evidente responsabilidade que cabe à imensa maioria da classe política pelo desenrolar sombrio do processo político brasileiro, os meios de comunicação a apresentam de modo homogeneizado e, em comparação com os dardos de sua crítica, poupam outros setores (…). Tem-se muitas vezes a impressão de que corrupção, cinismo e desmandos são monopólio dos políticos, dos partidos ou do Congresso (…). (pp.588-9, passim)[cf. “A Nova República brasileira: sob a espada de Dâmocles”, in Alfred Stepan, organizador,Democratizando o Brasil, Paz e Terra, 1988].

Responsabilidades da grande mídia

As recentes constatações, relativas à persistente má avaliação do Congresso Nacional por parte significativa da população brasileira e a desistência de políticos importantes de buscarem a reeleição nas próximas eleições, não seriam uma boa ocasião para que a grande mídia fizesse uma avaliação de sua cobertura política e de suas responsabilidades sociais?

A insistência em mostrar apenas o que é negativo em relação à atividade parlamentar não levaria a “uma ligação direta e extremamente nefasta entre a desmoralização da atual conjuntura e a substância mesma dos regimes democráticos”?

Afinal, não é mais possível “fazer de conta” que a grande mídia apenas “reflete” o que acontece na sociedade e não tem qualquer responsabilidade na construção e manutenção da agenda pública de debates – e, mais importante, na imagem pública dos políticos e da política. Sem abdicar do papel que se auto-atribui de fiscalizadora do poder – público e/ou privado – a grande mídia, até por coerência com as bandeiras que sustenta, deveria estar preocupada com sua responsabilidade na consolidação e manutenção da democracia. Ou não é esse seu compromisso fundamental?

Venício A. de Lima é jornalista e professor da UnB.

error: Conteúdo protegido para cópia.
Menu e Busca