Eliara Santana: Os patos da Fiesp, a camisa verde-amarela e a derrota para a Argentina

POR VI O MUNDO, 11/07/2021

Por Eliara Santana*

Eu não gosto de futebol. Nunca fui muito ligada, não entendo, não tenho time (apenas não gosto de alguns mais antipáticos).

Gosto do Corinthians por causa de Lula, torcia nas Copas do Mundo muito mais por questão política e pelos encontros festivos do que pela paixão por futebol; enfim, sou uma negação em termos esportivos.

Dado esse histórico, descobri somente ontem à noite, bem tarde, que tinha sido a final da cova, digo, Copa América. E descobri que o Brasil tinha perdido. Para a Argentina. No Maracanã. E que boa parte dos brasileiros torceram pela seleção arqui-inimiga.

Desde 2015 eu só consigo associar a camisa verde-amarela aos patos da Fiesp. Às dancinhas ridículas nas ruas. Ao ódio aventureiro que eles disseminavam.

Associo a camisa verde-amarela ao “nós x eles” construído simbolicamente pela mídia – em que brasileiros eram apenas os de verde-amarelo, os que odiavam os petralhas e colocavam no vermelho petista a culpa por todas as mazelas do Brasil.

Associo a camisa verde-amarela aos ignorantes ricos e idiotas, que tiveram boas oportunidades de alisar banco de escola mas que, mesmo assim, diziam acreditar em ameaça comunista no Brasil.

Associo a camisa verde-amarela da seleção aos amantes de Sérgio Moro e Deltan Dallagnol, o ex-juiz picareta e desonesto que armou para tirar Lula da eleição e se tornou ministro do adversário e seu procurador aliado da imprensa.

Associo a camisa verde-amarela aos defensores de toda a arbitrariedade cometida pela Lava Jato e àqueles que foram protestar na porta do hospital onde estava internada, com câncer, a mulher do ex-ministro Guido Mantega.

Associo a camisa verde-amarela às vovós com cartazes dizendo que a ditadura matou pouco no Brasil e devia ter matado mais, desejando a morte de Dilma Rousseff.

Associo a camisa verde-amarela aos médicos que foram para o aeroporto de Fortaleza xingar ostensivamente os médicos cubanos que chegavam ao país.

Associo a camisa verde-amarela a todos aqueles que comemoraram o AVC de dona Marisa Letícia e vazaram seus exames – e foram muitos, em muitos grupos de zap das famílias de bem.

Enfim, como não entendo patavinas de futebol e acho Neymar um idiota aproveitador chorão quando é conveniente, meu problema com a seleção brasileira e a camisa verde-amarela fica no âmbito político mesmo.

Então, é desse campo que vou dar aqui meus pitacos sobre a derrota interessante de ontem. Interessante porque é simbólica, muito simbólica.

No Brasil, não podemos atualmente falar que o mar da história é agitado. Na verdade, ele é um tsunami, um após outro.


VIOMUNDO SOB AMEAÇA, não deixe que calem nossas vozes – clique aqui


E assim, os patos da Fiesp viram seus mitos ruírem um a um. Logo estarão queimando a camisa amarelinha como fizeram em praça pública com as bandeiras do PT.

Ontem, uma grande parte dos brasileiros – certamente, muitos dos que já usaram com vigor a camisa verde-amarela – torceu pela seleção da Argentina, contra o Brasil, na final da Copa américa, no Maracanã.

E isso de fato sepulta aquela construção simbólica dos patos contra a corrupção.

A derrota do Brasil pela Argentina na Copa América de Jair Bolsonaro afundado em denúncias teve um gostinho muito bom, lavou a alma de quem, como eu, sofreu muito ao ver um estádio inteiro de vips (articulado por um certo apresentador oportunista) mandando a presidenta do país tomar naquele lugar na abertura da Copa do Mundo de 2014, silenciando o feito maravilhoso do neurocientista Miguel Nicolelis mostrado no estádio. Foi um vexame.

E agora, a torcida dos brasileiros – vermelhos, amarelos e baianos – contra a seleção brasileira marca a destruição completa daquele reino dos patos da Fiesp, com os mitos sendo todos desnudados. Nós, os vermelhinhos, já sabíamos disso tudo. E tentamos avisar…

No mais, parabéns à seleção argentina de Messi, Cristina Kirchner e Alberto Fernández.

*Eliara Santana é jornalista e doutora em Linguística pela PUC/MG.

error: Conteúdo protegido para cópia.
Menu e Busca