Especialistas X Rol da Escola – Uma reflexão

Da Redação

Em 1994 com a LDB passamos a ter uma nova composição no quadro do magistério estadual. Os especialistas passaram a ter o cargo de professor e a função de especialistas.

Em 2011, com a realização do novo concurso público para o magistério estadual parte dos especialistas do nosso estado passaram a viver um enorme pesadelo, se não vejamos o concurso público realizado no final do ano de 2011, aprovou 651 especialistas.

Com essa aprovação os especialistas de função mais com cargo de professor, mesmo que em muitos casos muitos tenham 25, 23, 27 anos ou mais nessa função estão sendo convidados a deixar a função para que os concursados assumam a sua vaga.

A culpa não é dos concursados, mas um erro, um equivoco cometido pelos representantes do SINTE na comissão do concurso público para o preenchimento das vagas do magistério estadual.

Se os representantes do SINTE na comissão do concurso público tivessem brigado para que o concurso só tivesse trazido vagas para o preenchimento de vagas para o magistério estadual, o caos não estava tomando conta das nossas escolas. Levando com que vários companheiros se encontrem hoje sem lotação na planilha.

Nós temos encontrado vários companheiros especialistas sem lotação, sem entrar no rol da escola.

Só para citar um exemplo, a SEEC está propondo que os especialistas de função mais de cargo de professor na cidade de Parnamirim vá dar aula em Alcaçuz, distrito de Nísia Floresta.

De acordo com informações colhidas junto a SEEC após a convocação e nomeação dos novos especialistas é que será redefinida essa situação. De uma coisa temos clareza, os companheiros que se encontrem fora do rol devem procurar se relotar com urgência para que não tenham surpresas mais desagradáveis.

De acordo com informações colhidas na SEEC o quadro dos especialistas será analisado um a um, ou seja, de escola em escola. Cada escola tem que justificar a necessidade de cada escola.

Com a nova mudança que aconteceu no rol das escolas, é um especialista para cada dez turmas, fora disso tudo passara por uma analise, de acordo com a SEEC.

Só temos a lamentar a ação da representação do SINTE, que está levando prejuízos a um segmento importante e fundamental na comunidade escolar, que são os especialistas.

Estamos de olho!

error: Conteúdo protegido para cópia.
Menu e Busca