Inep apresenta mudanças no Enem a secretários de Educação

Da Redação

O novo sistema de segurança do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e as alterações aplicadas na formulação das questões e na avaliação do exame foram apresentados na quinta-feira (12) pelo presidente do INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), Luiz Cláudio Costa, na abertura da reunião ordinária do Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação) em Palmas (TO). O evento foi aberto pelos secretários do Tocantins, Danilo de Melo Souza, e do Mato Grosso do Sul, Maria Nilene Badeca da Costa, presidente do Consed.

Luiz Cláudio Costa destacou os procedimentos para garantir a máxima segurança possível ao exame, incluindo precauções que vão desde a preparação das questões que serão escolhidas por especialistas até a impressão e distribuição das provas. O exame bateu recorde de inscrições este ano, com quase 5,8 milhões de candidatos.

O presidente do INEP ainda esclareceu que depois da criação de um Comitê de Governança, responsável por definir as principais questões relativas ao Enem, o edital ficou mais completo e este ano, pela primeira vez, não houve contestação jurídica e teve uma reavaliação sobre as redações do Enem e as formas de correção. “É preciso que o estudante tenha confiança no Enem”, disse.

Em julho, anunciou o Inep, será divulgado o Guia do Estudante, com orientações de como acontecem as avaliações, as correções, como solucionar as dúvidas entre outras informações pertinentes às novidades do exame. As provas no Enem serão realizadas nos dias 3 e 4 de novembro e o INEP vai investir R$ 2 milhões em editais para promover estudos e discussões sobre correção de textos.

As medidas adotadas pelo Inep garantem mais segurança ao processo e aos estudantes, além de evitar distorções na certificação do ensino médio. “O sistema está bem mais definido e nós continuaremos acompanhando, monitorando e sugerindo aperfeiçoamentos, se necessário”, destacou Luiz Cláudio.

Pelo menos duas das modificações apresentadas pelo INEP foram debatidas internamente no Consed, ambas relacionadas à concessão de certificações de ensino médio. O Inep tornou mais rigorosa a concessão ao subir para 450 a pontuação mínima dos candidatos maiores de 18 anos que não concluíram os estudos e também impediu que os estudantes regulares sem conclusão do ensino médio conseguissem se inscrever para obter a certificação.

Assessoria/Seduc

error: Conteúdo protegido para cópia.
Menu e Busca