Liberdade para Iara Lee

O BRASIL EXIGE QUE ISRAEL LIBERE IARA LEE
Republico matéria do Blog do Zé. 02/06/2010

Firme, merece integral apoio a posição diplomática do Brasil…

Firme, merece integral apoio a posição diplomática do Brasil adotada pelo ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, ao exigir de Israel a “imediata e incondicional” libertação da brasileira Iara Lee. A cineasta está recolhida à prisão de El’A, em Be’er Sheva, desde que foi detida em um dos navios atacados por tropas israelenses na madrugada da 2ª pp. quando levavam ajuda humanitária a palestinos da Faixa de Gaza ocupada.

As autoridades de Tel-Aviv, ao arrepio do direito, das leis e das normas internacionais, vão deportar ilegalmente Iara porque, segundo alegam, ela se recusa a “deixar o país voluntariamente”. O nosso chanceler argumenta que Israel não pode exigir que Lee assine um documento admitindo ter entrado ilegalmente em território israelense porque ela foi atacada (a embarcação em que estava) e presa em águas internacionais.

“Deve ser liberada já. E não só porque ela é uma cidadã brasileira pacífica e pacifista mas também porque faz parte da declaração emitida pelo Conselho de Segurança da ONU que todos os que foram presos sejam liberados imediatamente”, assinala Amorim.

Israel ameaça outro navio de ajuda humanitária

Adianta a ONU aprovar isto? Israel tachou de “hipócrita” a decisão e há anos desrespeita tranquilamente todas as resoluções da Organização. Eles acabam de reiterar a determinação de deportar todos os ativistas detidos em até 48h – o primeiro grupo de deportados é formado por 123 ativistas de 13 países. Nove morreram no ataque.

O Estado sionista despreza as Nações Unidas e suas resoluções, lógico, já que conta com o apoio incondicional dos Estados Unidos para sua política e ações de cunho ilegal e criminoso. Essa é uma razão a mais mas, seguramente, das de maior peso para explicar o desprezo e o sentimento de impunidade dos governantes de Israel. Eles tem a solidariedade, também, ou a reação tímida, apenas formal, dos grandes países da União Européia.

Sentem que podem fazer o que quiser que nada lhes acontece. E assim, agem como verdadeiros foras da lei. Tanto que um comandante da Marinha anunciou na Rádio do Exército que as tropas israelenses estão prontas e poderiam interceptar na madrugada de hoje um 2º navio de ajuda humanitária que chega às águas de Gaza, o Rachel Corrie.

Em mensagem na internet, a Organização Perdana pela Paz Mundial confirmou que o Movimento pela Liberdade de Gaza, de resistência ao bloqueio de Israel à Palestina, comprou o Rachel como parte de uma flotilha de assistência humanitária.

error: Conteúdo protegido para cópia.
Menu e Busca