SIGEDUC é falho: sistema permitiu cadastro de professor sem sobrenome e com CPF que não existe

SIGEDUC é falho: sistema permitiu cadastro de professor sem sobrenome e com CPF que não existe

 

Apresentamos a estranhíssima história do professor João Maria. Só João Maria mesmo, sem nenhum sobrenome, e do sexo femino.

De acordo com o SIGEDUC, João Maria foi nomeado no Estado no dia 20 de março de 2024, para o cargo de professor efetivo III, lotado no Grupo de Processamento de Dados (GPD).

Logo em seguida, no dia 26 de abril de 2024, teve fim sua rápida passagem de um mês pela secretaria de Educação.

Detalhe: o CPF cadastrado no SIGEDUC não existe.

 

 

Toda essa incrível história parece demonstrar uma grande falha de sistema.

A impressão que fica é que qualquer pessoa com acesso pode realizar cadastro de pessoas, até mesmo utilizando CPFs inexistentes ou de outras pessoas.

Mas fica a questão:

Esse professor existe?

Teve sua publicação no Diário Oficial?

Ele recebeu salário?

SIGEDUC, um sistema falho que permite erros graves. Assim como existe professores que parecem não existir, será que também é possivel o cadastro de estudantes?

 

Veja mais informações:

Veja como a secretária Socorro Batista está escondendo professores que não trabalham

O incrível caso do professor em estágio probatório que recebeu 300 dias de afastamento e continua recebendo salário normalmente

Secretaria de Educação esconde 1.527 professores e 61 especialistas

 

SINSP/RN

Vídeo mais recente:

error: Conteúdo protegido para cópia.
Menu e Busca