‘Estamos iniciando hoje 48 horas de paralisação’, diz Janeayre Souto

POR Nominuto, 03/02/2020

Presidente do Sinsp diz que alíquota proposta pelo Governo do Estado é pior do que a do governo federal.

Servidores protestam na Praça Sete de Setembro contra a reforma da Previdência encaminhada pelo governo para a Assembleia Legislativa.

A presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Administração Direta (Sinsp), Janeayre Souto, afirmou na manhã desta segunda-feira (3) que as categorias irão realizar uma paralisação dos serviços durante dois dias, em protesto contra a reforma da Previdência estadual encaminhada pelo Governo do Estado para votação na Assembleia Legislativa.

Sindicalistas estão concentrados na Praça Sete de Setembro e criticam o reforço policial destacado nos arredores da Casa legislativa. “Nós estamos iniciando hoje 48 horas de paralisação. Hoje e amanhã. Nós lamentamos ao chegar aqui e nos deparamos com esse aparato policial gigantesco. Nós servidores não somos do mal, nós somos do bem. Estamos aqui defendendo a nossa aposentadoria. Dizendo não ao confisco dos nossos salários. Dizendo não ao tributos a aposentados e o crime de se tributar em 14%”, disse Janeayre souto.

Janeayre Souto também faz críticas à governadora Fátima Bezerra e diz que a proposta de mudanças nas aposentadorias está acontecendo sem diálogo. “O Governo do Estado entregou ao Fórum dos Servidores no último dia 30 uma reforma, só que fez uma maquiagem mal feita. Na questão da alíquota ela é pior do que a do governo federal. Porque a do governo federal começa com 7,5% e o governo ao contrário, prefere confiscar o salário dos servidores iniciando a tributação em 12%. Nós ficamos tristes porque nós queremos dialogar em outro patamar. O Governo do Estado não considerou nenhuma proposta apresentada no Fórum”, aponta.

Sobre a possibilidade de uma articulação com os deputados para evitar a aprovação da proposta, a sindicalista também se queixa da falta de acesso aos parlamentares. “A gente não tem nem como chegar, botaram a polícia armada como se nós fôssemos marginais. Nós somos pais e mães trabalhadores que estão apenas defendendo os nossos direitos”, reclama.

A Assembleia Legislativa inicia hoje os trabalhos parlamentares e tradicionalmente a cerimônia conta com a leitura da mensagem anual realizada pelo chefe do Poder Executivo. Contudo, neste ano a governadora Fátima decidiu não participar da sessão solene. “Não irei ao legislativo acirrar uma discussão que está em plena negociação, que é o caso do projeto de reforma da previdência. A minha luta com estes, que são companheiros de uma vida inteira, é e sempre será no campo do diálogo”, disse.

error: Conteúdo protegido para cópia.
Menu e Busca