Índice de Custo de Vida – DIEESE

INFLAÇÃO AINDA PREJUDICA POPULAÇÃO DE BAIXA RENDA

Em abril, o custo de vida no município de São Paulo foi de 0,22%, ou seja, 0,25 ponto percentual menor que o apurado em março (0,47%), segundo cálculo do DIEESE. Apesar da redução no ritmo do aumento de preços, este foi o segundo mês consecutivo em que a taxa de inflação foi bem superior para as famílias de baixa renda, estrato 1 (0,52%) em relação às dos demais estratos: 2º (0,29%) e 3º (0,11%) .

Os maiores aumentos foram apurados para os grupos Alimentação (0,75%) e Saúde (0,91%) que juntos contribuíram com 0,34 pp no cálculo da taxa de abril. Por outro lado, os grupos Transporte (-1,05%) e Equipamento Doméstico (-0,46%) colaboraram para a queda na inflação, com -0,18 pp.

Inflação Acumulada – Nos últimos 12 meses, de maio de 2009 a abril de 2010, o ICV apresentou alta de 5,70%. Ao se considerar os diferentes estratos, as taxas anuais são decrescentes com o aumento do poder aquisitivo: estrato 1, 6,21%; estrato 2, 5,86% e estrato 3, 5,52%. Neste ano, a inflação acumulada é de 3,04%, sendo maior para os estratos iniciais: 3,58% para o1º; 3,41% para o 2º e ligeiramente menor para o 3º (2,75%).

Serviços pressionam a inflação desde janeiro de 2009 –
Nos últimos 16 meses a inflação calculada pelo DIEESE acumulou alta de 7,21%. Para identificar os motivos para esta elevação foi realizado um estudo avaliando os bens e serviços pesquisados pelo ICV, analisando-os segundo a formação de seus preços no mercado: público ou administrado, oligopólio e concorrencial.

A desagregação dos pesos dos grupos aponta que os Bens concorrenciais representam 36,3% dos gastos familiares, os públicos/administrados 7,6% e os oligopolizados 6,1%. Nos Serviços o maior peso cabe aos concorrenciais 26,4%, seguido dos públicos ou administrados 14,8% e o menor para os oligopolizados 8,8%.

Diante destes pesos, a inflação deste período – janeiro de 2009 a abril de 2010 – foi fortemente agravada pelos serviços concorrenciais (11,17%), uma vez que os bens deste subgrupo (4,63%) foram os que acusaram a menor taxa.

Portanto, a maior preocupação com a inflação deve estar no aumento dos serviços concorrenciais (11,17%), pois a segunda maior alta ocorreu nos bens oligopolizados (9,64%), porém estes representam apenas 6,1% na composição do cálculo inflacionário.

Leia abaixo os dados do ICV-DIEESE abril
http://www.dieese.org.br/rel/icv/icvmai10.pdf

* No estrato 1 estão incluídas as famílias com renda média de R$ 377,49; o 2 engloba aquelas com rendimento médio de R$ 934,17 e no 3, aquelas que ganham em média R$ 2.792,90 , em valores de junho de 1996.

Para acessar a página do DIEESE clique: http://www.dieese.org.br/

error: Conteúdo protegido para cópia.
Menu e Busca