Meio Ambiente

CERRADO, GRANDE RIQUEZA DO BRAZIL

Por Delúbio Soares (*)

O Brasil demorou muito a olhar para o cerrado e enxergar nele toda sua riqueza e potencial. Ele se distribui por uma área impressionante, por vários Estados, dominando boa parte de nosso território nacional, mas somente em meados do século passado os brasileiros o trataram com o respeito merecido.

Pedro Ludovico, com a construção de Goiânia e a modernização do Estado de Goiás, chamou a atenção para as potencialidades da área mais central do país, sendo seguido por JK com a interiorização de nosso progresso através da construção de Brasília e a vitoriosa “Marcha para o Oeste”. Desde então o Brasil sabe que a vegetação que já chegou a dominar cerca de dois milhões de quilômetros quadrados, era (e, felizmente, ainda o é) uma de nossas grandes riquezas e um celeiro de fartura.

Hoje, restaram 20% do território original, com cerca de 2% protegidos por reservas ecológicas e parques de preservação ambiental. O antigo e árido território foi invadido por cidades que crescem em acentuada velocidade; é habitado por população que se multiplica de forma impressionante; abriga uma das agriculturas mais rentáveis e exitosas de todo o mundo; é cortado por três das maiores bacias hidrográficas da América do Sul (São Francisco, Prata e Tocantins/Araguaia); é o segundo maior bioma brasileiro e se expande por oito Estados: Goiás, Tocantins, Minas, Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí e, também, pelo Distrito Federal. A regularidade pluviométrica, a flora abundante e a rica fauna, se conjugam formando um cenário de biodiversidade raramente encontrável em outras paragens do planeta.

Os diversos ecossistemas que se harmonizam no cerrado brasileiro deram origem a uma riqueza que merece especial atenção dos brasileiros e de toda a humanidade. Mais de dez mil espécies vegetais são encontradas em seu vasto território, muitas das quais, ainda não exploradas, são verdadeiras reservas estratégicas para a ciência, já que podem dar origem a medicamentos.

O que parecia ser apenas um desafio da natureza ao homem, um solo de savana tropical e uma vegetação seca e retorcida, acabou por se firmar como uma das grandes reservas naturais do Brasil e da humanidade.

O subsolo do cerrado guarda reservas de ferro, alumínio e níquel, além de outras tantas que se constituem em patrimônio de nosso país. A exploração racional e sustentável das riquezas do cerrado, bem como a preservação de seu território contra a devastação indiscriminada, são tarefas que se impõe nossos governantes e à sociedade civil.

A Universidade Federal de Goiás (UFG), em alentado estudo, calcula em 800 mil quilômetros quadrados a área devastada do cerrado brasileiro no ano de 2002. E alerta que, se não houver uma política responsável e consistente de preservação ambiental e proteção do segundo maior e mais importante bioma brasileiro depois da Amazônia, esses números preocupantes poderão chegar aos 960 mil quilômetros quadrados em apenas três décadas. Um território comparável ao do Estado de Goiás… O professor Manuel Eduardo Ferreira, da UFG, calcula que 60 mil quilômetros quadrados serão incorporados à área agrícola, com base em imagens de satélite e nos estudos já realizados.

O Brasil precisa resolver uma equação importantíssima: crescer sem depredar, aumentar sua produção agrícola mantendo níveis responsáveis e necessários de preservação territorial, compatibilizando nossa fabulosa agricultura, um dos motores de nosso desenvolvimento, com o indispensável respeito ao meio-ambiente e ao nosso cerrado.

É, sim, possível a convivência e a integração de uma agricultura que cresce e alavanca o progresso do país com o respeito à natureza. Em minhas andanças por Goiás constato que os produtores rurais tem hoje uma visão generosa e responsável da questão ambiental. Sabem os homens da terra que nenhum progresso é válido se o meio-ambiente for agredido. Existe uma conscientização crescente de que duas questões se impõe à humanidade, ocupando espaço nos foros internacionais de estudo, debate e negociação entre os países: a paz mundial e a questão ambiental.

A ONU e organismos internacionais já olham o cerrado com o respeito que ele merece e impõe. O governo do presidente Lula desenvolve políticas inéditas para a área, e hoje os organismos de fomento econômico e social, como o BNDES e o Banco do Brasil, aprovam projetos sustentáveis e comprometidos tanto com a produção agrícola quanto com a preservação do imenso território do cerrado. Isso demonstra a possibilidade de convivência do homem e de sua necessidade de produção com a manutenção de uma das mais importantes riquezas do Brasil e de seu povo.

O cerrado não é a terra de ninguém de décadas atrás. Ele é, apenas e tão somente, fundamental para o crescimento do Brasil e o futuro de nossas gerações.

(*) Delubio Soares é professor

error: Conteúdo protegido para cópia.
Menu e Busca