Merenda Escolar

PARA GARANTIR QUE TODOS OS ALUNOS MATRICULADOS NA REDE ESTADUAL TENHAM DIREITO À MERENDA, É PRECISO FAZER MILAGRE
Repúblico matéria do jornal Diário de Natal, Cidades, 18/04/2010

Para garantir que todos os alunos tenham direito à merenda nas escolas, os diretores fazem verdadeiros malabarismos. A Escola Estadual Varela Barca, localizada no Conjunto Soledade 2, Zona Norte de Natal, recebe mensalmente cerca de R$ 5.615 para comprar a merenda de aproximadamente 1.400 alunos do Ensino Médio que estudam nos três turnos. A aquisição de todos os gêneros alimentícios é feita apenas com os recursos enviados pelo PNAE. Por isso, o diretor Júlio César Souza pesquisa em diversos locais até conseguir preços mais em conta. “Como temos que cumprir algumas exigências do FNDE e temos pouco dinheiro, o jeito é pechinchar”, afirmou.

No interior do Estado a situação não é diferente. No município de Lagoa de Velhos, localizado à Região Agreste, o diretor da Escola Estadual Prefeito João Evangelista Ribeiro, Marcos Antônio da Costa, explicou que o valor repassado pelo PNAE dá para comprar a merenda, mas que seria necessário melhorar a alimentação servida aos 350 alunos matriculados. “A merenda servida atualmente é razoável. Gostaríamos de oferecer uma merenda de melhor qualidade, mas somente com os recursos do PNAE não é possível”, disse.

A subcoordenadora de Assistência ao Educando da SEEC, Socorro Duarte, afirmou que apesar das dificuldades e mesmo não sendo o modelo de alimentação saudável que deveria, a merenda distribuída nas escolas estaduais é suficiente porque estudos do Ministério da Educação mostram que somente 4% dos alunos vão à escola, apenas, para merendar. “Já teve uma época no Brasil que esse número era de 48%”, afirmou.

Mesmo distribuída gratuitamente, muitos estudantes não lancham e, por isso, a merenda é suficiente. O adolescente Giedson Augusto Costa, 18 anos, aluno do 1º ano do Ensino Médio da Escola Estadual Varela Barca, é um desses alunos. Ele afirma que não gosta de merendar na escola e que, muitas vezes, prefere comprar o lanche em outro lugar, mas não sabe informar o porquê. “Não gosto de lanchar aqui na escola, prefiro comprar”, diz.

Diferente de Giedson, o adolescente Leonardo Ciríaco, 14 anos, estudante do 9º ano, da Escola Estadual Diósculo do Vale, localizada no Conjunto Soledade 2, Zona Norte de Natal, declarou que todos os dias merenda na escola. “É muito bom ter a merenda porque nem sempre nossos pais têm dinheiro para comprarmos lanche”, conta.

Para tentar minimizar a dificuldade enfrentada pelos diretores, a subcoordenadora de assistência ao Educando afirmou que as duas nutricionistas da secretaria elaboraram 39 cardápios para as escolas. De acordo com Socorro, o déficit de nutricionistas na rede estadual é de 30 profissionais.

error: Conteúdo protegido para cópia.
Menu e Busca