Servidores condicionam operação a pagamentos

POR Tribuna do Norte, 05/01/2019

Prevista para começar neste sábado, 5, a Operação Verão do Rio Grande do Norte pode ter sua continuidade afetada caso o Governo do Estado não dê uma resposta positiva sobre os pagamentos dos salários atrasados dos agentes de segurança. Mesmo com a garantia do novo titular da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado (Sesed), Coronel Francisco Canindé de Araújo Silva, entidades representativas da segurança condicionam o andamento da operação ao pagamento dos vencimentos em aberto. 

O pagamento das diárias operacionais dos agentes de segurança, no entanto, será efetivado somente após a abertura do orçamento de 2019. O presidente do Sinpol-RN, Nilton Arruda, cita que o pagamento no decorrer ou após a Operação Verão não é exclusividade do novo governo. “Os policiais sempre sofrem. Os pagamentos nunca saem num prazo justo, com o agente trabalhando e só recebendo dois, três meses depois”.  Ainda de acordo com o presidente do Sinpol-RN, a equipe de segurança da governadora Fátima Bezerra estará reunida neste sábado e apresentará uma proposta na segunda-feira, 7, para os agentes de segurança e apenas “uma boa notícia” pode fazer com que os agentes dêem andamento à operação iniciada neste sábado. “Se o governo não tiver uma boa notícia referente a salários, ele deve fazer alguma coisa para o pagamento das diárias, senão ficará comprometida a Operação Verão”.

O presidente da Associação dos Cabos e Soldados, Roberto Campos, afirma que uma resposta que não agrade a categoria pode afetar também as atividades ordinárias dos policiais. “O governo vai dizer nessa segunda-feira se a segurança publica vai ser prioridade ou não. Os relatos que chegam é que alguns soldados estão sem condições até de se deslocar ao local de trabalho. Se não houver uma solução, não só a Operação Verão estará prejudicada, mas também os serviços normais dos soldados”.

A realização da Operação Verão foi determinada pela governadora Fátima Bezerra após reunião com o  Coronel Araújo. “A prioridade é garantir a segurança. Está garantido o patrulhamento e vamos fazer de acordo com cada local, dentro dos meios que temos”, explicou o secretário de Segurança.

Para o trabalho durante a operação, o efetivo vai variar de acordo com as necessidades, também sendo alterado dependendo do dia da semana. Em praias onde ocorrerão festas, por exemplo, o policiamento será ampliado em dias de grandes shows, assim como haverá maior número de bombeiros em locais onde há maior risco de afogamento. O efetivo será reforçado com a convocação de profissionais que estarão de folga, de acordo com a programação da Sesed. Por isso, o secretário informou que não há como definir, no primeiro momento, qual será o número de profissionais que trabalhará durante os dois meses da Operação Verão, que vai até o Carnaval. “Não haverá retirada de policiais que estão no patrulhamento normal para deslocá-los para o reforço do trabalho nas praias. Conforme for preciso, convocaremos policiais e bombeiros que estiverem de folga para realizar o trabalho”, explicou Araújo.

Ainda não é possível realizar o pagamento das diárias operacionais imediatamente após a atuação dos profissionais porque não há orçamento aberto. Contudo, Araújo garante que o repasse está garantido. “Os que participarem da operação vão receber, tão logo se abra o orçamento. Será prioridade pagar as diárias. Vão trabalhar e vão receber”, justificou o secretário.

error: Conteúdo protegido para cópia.
Menu e Busca