Um terço dos adultos no Brasil está no grupo de risco do coronavírus

POR O GLOBO, 19/04/2020

No país, 50 milhões sofrem de doença crônica ou já passaram dos 60 anos Juliana Dal Piva, Pedro Capetti, Juliana Castro e Marlen Couto

RIO — Responsável pela morte de mais de 2 mil pessoas desde março, o novo coronavírus representa uma ameaça de vida maior para mais de 50 milhões de brasileiros que fazem parte do grupo de risco da Covid-19. O levantamento, feito a pedido do GLOBO por pesquisadores da Fiocruz que trabalham no projeto Monitora Covid-19, estima que um em cada três brasileiros (33,5%) acima de 18 anos tem ao menos um dos cinco principais fatores associados a complicações da doença: hipertensão, diabetes, doenças do coração ou do pulmão e ainda os que têm idade acima de 60 anos.

Bons hábitos: saiba quais lições do isolamento social valem ser mantidas após a pandemia

O dado foi calculado a partir das respostas do questionário da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS/IBGE), feita em 2013. O levantamento mostra como o chamado “grupo de risco da Covid-19” reúne pessoas em todas as faixas etárias. 

— Essas doenças ocorrem em todos os grupos de idade. A faixa de idade de 18 a 29 anos realmente é menos afetada, mas após os 30 anos a gente já tem grandes proporções que estão em risco. É interessante chamar atenção sobre isso porque nesse isolamento vertical você está colocando pessoas que têm problemas de saúde sujeitas a ser infectadas e ter gravidade na doença — explica Celia Landmann Szwarcwald, coordenadora da PNS e do levantamento.

O principal fator identificado é a hipertensão, com um total de 22,1% dos adultos diagnosticados. Depois, a diabetes, com 7%; doenças do coração, 4,2%; e enfermidades no pulmão, 1,8%. Algumas pessoas sofrem de mais de uma doença. Além disso, há um grupo de 7,3% de idosos que não declararam doenças, mas que estão no grupo de risco por possuir mais de 60 anos. No recorte de gênero, entre as mulheres o grupo de risco atinge 36,2% acima de 18 anos, assim como 30,4% dos homens. 

A Flourish scatter chart

A hipertensão, sobretudo, atinge diferentes idades. Entre quem tem de 18 a 29 anos, os doentes são apenas 3%. Esse número salta para 9,9% na faixa de 30 a 39 anos. Vai a 21% de 40 a 49 anos e cresce para 35,7% de 50 a 59 anos. Com mais de 60 anos, os hipertensos são 51,1%.

— Pessoas mais pobres que, às vezes, não têm tanto acesso aos serviços de saúde e só procuram quando eles estão sintomáticos podem não aparecer. Então a gente pode ter até proporções maiores do que essas — analisa Szwarcwald.

Para ela, os dados sobre gênero também estão relacionados ao fato de que as mulheres cuidam da saúde desde os exames ginecológicos e mantêm esse hábito. Já os homens tendem a ir ao médico apenas quando estão doentes.

Nos estados, os maiores grupos de risco estão no Rio Grande do Sul, onde 37,8% dos adultos têm algum dos fatores. A situação é mais crítica onde a Covid-19 se alastra com velocidade. No Rio, com mais de 4,5 mil casos confirmados e 387 óbitos, o grupo de risco é pelo menos de 37%. Em São Paulo, com quase 13,9 mil casos confirmados e 991 mortes, 36% são mais vulneráveis.

Presidente da Sociedade de Infectologia do Estado do Rio, Tânia Vergara também ressalta que as comorbidades são um alerta para os mais jovens.

— Se você pensar em uma escada, em que no último degrau você chega com a doença mais grave, quem já tem um fator de risco começa no terceiro, no sexto, no décimo degrau — explica Tânia.

Medo diário

Quem tem mais de um fator de complicação convive com o medo do novo coronavírus diariamente. A pedagoga Magali Pereira, de 40 anos, mora em Cubatão (SP). Ela tem diabetes e pressão alta, que adquiriu na gravidez. Desde que a Covid-19 começou a se espalhar e foi decretada quarentena no estado de São Paulo, ela foi para a casa do pai em São Sebastião (SP). De lá, tenta manter uma rotina saudável. No entanto, não consegue mais fazer o acompanhamento médico porque está longe de sua cidade.

— Meu pai também é diabético e tem 70 anos, minha mãe faleceu há um ano e meio. Tenho uma tia que faz as compras pra gente. Só saímos para dar ao meu pai a vacina da gripe — conta ela. — Fico na tensão o tempo inteiro. E se acontecer uma coisa comigo? E como fica meu pai e minha filha?

Melissa, de 3 anos, tem baixa imunidade e cardiopatia, o que preocupa os pais Vinícius e Monique Foto: ROBERTO MOREYRA / Agência O Globo
Melissa, de 3 anos, tem baixa imunidade e cardiopatia, o que preocupa os pais Vinícius e Monique Foto: ROBERTO MOREYRA / Agência O Globo

As doenças crônicas também acometem crianças. Os cuidados dos pais com a carioca Melissa Estevez da Costa, de 3 anos, são redobrados. Ela faz parte de dois grupos de risco: tem síndrome de Down e, por isso, imunodeficiência, além de cardiopatia. Com quatro meses, passou por uma cirurgia no coração e permanece em tratamento.

— Quando ela fez a cirurgia, ao abrir o peito, foi retirado o timo, um órgão que produz a timomodulina, que ajuda na imunidade. Vemos as pessoas não se cuidarem e ficamos preocupados — explica Vinicius Costa, pai de Melissa.

A família importa um suplemento para ajudar na imunidade, mas, desde que a pandemia se agravou, ele parou de chegar. Duas encomendas ficaram pelo caminho e nem a Receita Federal nem os Correios conseguiram localizar. Para não ficar sem, eles tiveram que mandar manipular.

Além das doenças da pesquisa, correm maior risco ao contrair o coronavírus pessoas com câncer, enfermidades autoimunes, algumas síndromes, grávidas e puérperas, entre outros.

A assistente social Rosângela Salles, de 52 anos, mora no Rio. Ela tem um fator de risco mais raro. Trata o lúpus, doença crônica em que o sistema imunológico ataca as células do corpo, o que a deixa mais suscetível a infecções.

— É natural sentir medo, mas a gente tem que viver com isso, um dia de cada vez. Estou fazendo minha parte e tomando os devidos cuidados — diz.

Rosângela sofre com outro efeito da pandemia: a falta de hidroxicloroquina, testada para tratar casos de Covid-19, mas que ainda não teve resultados científicos comprovados. Ela conta que está com dificuldades para encontrar o remédio e chegou a ficar 28 dias sem a medicação.

Além dos dados sobre grupo de risco, a PNS permite identificar as desigualdades que atingem esse grupo. Estudo feito pelas pesquisadoras Luiza Nassif Pires, da Levy Economics Institute, Laura Carvalho, da USP, e Laura de Lima Xavier, da Harvard Medical School, indica que 60% dos que declararam ter apenas o ensino fundamental estão no grupo de risco, ante 31% que chegaram a cursar o superior.

Para as pesquisadoras, o número adiciona um desafio ainda maior no combate ao coronavírus. Entre os 20% mais pobres da população, 94,4% não tinham plano de saúde. E são os mais pobres os com menores condições de praticar o isolamento social e os mais dependentes do SUS.

— Você precisa criar opções para esses grupos mais vulneráveis para praticar a quarentena. Se não, esses grupos que estão mais sob risco estarão ainda mais expostos — ressalta Luiza, destacando que medidas de preservação da renda são essenciais neste momento.

error: Conteúdo protegido para cópia.
Menu e Busca