Vale por três

Fátima se destaca no Senado e supera atuação de Garibaldi e Agripino

Eleita com mais de 800 mil votos em 2014, a senadora potiguar Fátima Bezerra (PT) assumiu o mandato em janeiro deste ano, há quase 11 meses, sob a expectativa de que faria mandato similar aos que exerceu como deputada federal.

Por três legislaturas, a petista se destacou pelo grande número de indicações e emendas parlamentares, as quais possibilitaram, por exemplo, a instalação de Institutos Federais de educação tecnológica em diversos municípios potiguares. Fátima participou ativamente dos projetos de expansão da rede de educação profissionalizante no Rio Grande do Norte. De 2007 (quando ela assumiu o mandato de deputada federal) para cá, por exemplo, foram 19 novos campi.

Ou seja: a então deputada federal teve o trabalho reconhecido em Brasília sem esquecer o estado, onde se fazia presente promovendo ações e debates.

Pois como senadora, ao longo destes meses, seu desempenho superou as expectativas até mesmo dos eleitores. Os números mostram isso. O Prêmio Congresso em Foco, por exemplo, que organiza um ranking a partir da atuação dos parlamentares, trouxe que a senadora Fátima Bezerra foi a parlamentar potiguar de maior destaque em 2015, superando os medalhões e companheiros de Senado José Agripino Maia (há 25 anos como senador) e Garibaldi Alves Filho (há 9 anos no mesmo cargo). Num universo de 81 senadores, Fátima aparece na 15ª colocação, enquanto Garibaldi é o 40° senador de maior destaque e Agripino nem foi relacionado.

O prêmio levou em consideração a trajetória de vida e a reputação do parlamentar e sua atuação legislativa, no que diz respeito à apresentação de projetos, discussão de propostas, participação em debates em plenário e nas comissões e ao papel exercido nas articulações com vistas à tomada de decisões.

Além da atuação em Brasília propriamente dita, a senadora tem trazido para o Rio Grande do Norte audiências públicas e debates para discutir questões importantes, e as sugestões e ideias nascidas aqui são levadas para a capital federal por meio de requerimentos.

Num período de um mês, por exemplo, dois eventos promovidos pelo mandato de Fátima Bezerra trouxeram para a Assembleia Legislativa debates sobre a transposição das águas do São Francisco e a participação das mulheres na política.

O resultado desta atuação é a rota ascendente em que a senadora está para chegar ao chamado “alto clero” do Senado, aquele grupo seleto de políticos que têm força e peso e ganha holofotes da mídia.

Os companheiros potiguares de Fátima no Senado não têm tido a mesma atuação, no entanto. Agripino, na verdade, até tem ganhado destaque nacional – mas por causa de denúncias de corrupção. Há no STF um inquérito aberto contra o senador democrata para investigar sua participação em esquemas de corrupção.

Garibaldi, por sua vez, tem obtido pouco destaque como senador após sua volta da licença para exercer o cargo de ministro da Previdência Social. Tem promovido debates e participado de eventos no estado, mas com pouco brilho.

FONTE: Potiguar Notícias

error: Conteúdo protegido para cópia.
Menu e Busca